Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

23
Mar12

Se alguém se engana com seu ar sisudo

Maria do Rosário Pedreira

Por razões que não interessa aqui aprofundar – mas que se prendem com o negócio dos livros, e não, garanto, com qualquer assomo tardio de religiosidade –, o Manel andou vários dias a acompanhar um padre brasileiro católico, autor de um livro chamado Ágape que, no seu país natal, já vendeu mais de sete milhões de exemplares. Ora, num dos dias em que partilharam uma refeição, o padre contou-lhe uma boa piada sobre um bispo que se deslocou, um belo dia, à igreja matriz de determinada terra da sua diocese, encontrando o prior bastante consternado. Indagando a razão daquela tão sincera preocupação, disse-lhe o pároco que a igreja estava cheia de morcegos e que já tinha feito de tudo para se livrar deles, mas infelizmente nada resultara. Parece, então, que o bispo, mais experiente, lhe comunicou ter a solução para o problema: «Baptize-os e crisme-os», disse, «e vai ver como eles desamparam a loja num abrir e fechar de olhos». Não li o livro do padre Marcelo Rossi, mas, pelo menos, sentido de humor não lhe falta...

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    João Courinha 24.03.2012 09:52

    Católica e pouco fã de realismo fantástico, oh... assim eu parti logo em desvantagem!
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 24.03.2012 11:20

    Meu caro... existem no Céu e na Terra, mais coisas do que podemos imaginar!

    Você que gosta de fazer citações talvez isto lhe diga alguma coisa...

    Lembre-se que para ser um escritor e ser lido tem de se aproximar das pessoas. Pode brincar com elas, mas não pode troçar delas e muito menos das suas crenças e sensibilidades.
    Ser iconoclasta é um caminho perigoso... não sou rato de Igreja, mas sou prudente e respeito o sentir dos outros. Quando entro num qualquer templo ou piso chão sagrado (nem que seja o Cabo de S.Vicente ) faço-o com respeito pelos sentimentos reunidos de milhares de pessoas ao longo dos tempos, as suas esperanças, o seu desespero e a sua fé. É o que faz também de
    nós seres humanos.

    Bom fim de semana
  • Sem imagem de perfil

    João Courinha 24.03.2012 20:50

    Pois não concordo consigo. Ou o Sr. Pacheco respeita a crença em bruxas, abluções do arco da velha, naquela varinha que descobre água , em banha da cobra, em baba de caracol, no pai natal, na fada dos dentes, no bigfoot , na área 52, etc...? É que todas elas podem existir, assim como pode existir um homem que uma vez comeu um meteorito ou um mosquito que dança o charleston . Eu não sei se Deus existe, simplesmente espero que não. Seria terrivelmente fastidioso ser uma espécie inventada, refém de uma conjunto de regras ditadas por um ser superior. Prefiro acreditar numa noção circular de tempo em que a humanidade se criou a ela própria, é uma parvoíce? Olhe que pode existir! Eu sei que não parece tão plausível quanto o filho de uma virgem que anda sobre a água e ressuscita... mas nunca se sabe. Quanto a aproximar-me de quem me quer ler, como nunca me conseguirei aproximar de todos, prefiro aproximar-me dos que não acreditam em magia, dos que fé só a têm no Homem do futuro. Não é demagogia, é mesmo aquilo a que rezo.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 24.03.2012 21:03

    Acabou de ganhar um leitor. Já não fica só.
  • Sem imagem de perfil

    João Courinha 24.03.2012 22:43

    Que Deus o abençoe!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.