Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

21
Abr16

Eu e o outro

Maria do Rosário Pedreira

Depois de agraciada com um dos mais importantes prémios nacionais de ficção – o Grande Prémio de Romance e Novela da APE-DGLAB – pelo seu romance de estreia (Que Importa a Fúria do Mar), Ana Margarida de Carvalho regressa aos escaparates com uma nova ficção suculenta intitulada Não Se Pode Morar nos Olhos de Um Gato, apropriando-se (e bem) de um verso de Alexandre O’Neill. Desta feita, a acção decorre em finais do século XIX, quando, apesar de abolida a escravatura, continua a haver navios negreiros e transporte clandestino de negros nos porões. Um grupo de passageiros brancos, entre os quais um padre e uma antiga traficante de escravos, e alguns tripulantes terão, de resto, de conviver de perto com alguns destes negros e ganhar-lhes a confiança na sequência de um acidente que o navio tem ao largo do Brasil. Encurralados numa praia, a relação de forças e poderes inverter-se-á? O que aconteceu a este grupo de pessoas será realmente o pior que lhes podia ter acontecido – ou, afinal, serão as memórias do passado de cada indivíduo ainda mais negras e soturnas do que esta espécie de prisão? Nada se pode revelar do espantoso romance que será apresentado mais logo por Francisco Louçã. O convite aí vai, apareçam!

Convite_morar_olhos_gato.jpg