Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

22
Mai10

Coisas más muito boas

Maria do Rosário Pedreira

Sim, custa-me um bocado dizer isto, mas tenho esta fraqueza imperdoável: adoro as personagens más dos bons romances. Não, não estou a falar em personagens que o autor tenha deixado por incompetência a duas dimensões, estou mesmo a falar de maldade pura e dura. A maldade de uma personagem, sobretudo quando é subtil e inteligente – que querem? –, apaixona-me como leitora; e admiro os autores que conseguem pôr-nos logo do lado dos maus, porque os desenham tão geniais que não somos capazes de resistir-lhes. Em Uma Barragem contra o Pacífico, de Marguerite Duras – livro que toda a gente devia ler a par de O Amante (os dois, aliás, confundem-se na minha memória) –, a mãe da protagonista é uma má admirável (e a protagonista também não é muito melhor). Inesquecível a cena em que a mãe atrai um amante para a filha – porque precisam desesperadamente do seu dinheiro – mas, no dia em que ele lhes traz um presente enorme (na verdade, um gramofone), este fica durante toda a visita embrulhado e pousado numa mesa, sem que nenhuma delas pergunte sequer o que é.

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.