Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

01
Mar16

O que ando a ler

Maria do Rosário Pedreira

Não ando a ler, já acabei, mas, para o efeito, tanto faz. Capa belíssima e título ainda mais belo fazem de qualquer livro irresistível e, por isso, este não é excepção. Chama-se Não Há tantos Homens Ricos como Mulheres Bonitas Que os Mereçam e assina-o Helena Vasconcelos, a crítica literária mais simpática da actualidade que, ainda por cima, tem a coragem e a humildade de se atrever à ficção. E fá-lo num romance com muito de ensaio e muito de biografia, que é também uma espécie de “Jane Austen para principiantes e devotos”. Contando a história de Ana Teresa – uma rapariga desfasada do seu tempo e com pais ausentes, que vai para Londres investigar tudo o que ainda não sabe sobre a sua escritora preferida –, a autora partilha simultaneamente com ela e connosco a vida e a obra de uma das mais interessantes e divertidas ficcionistas dos inícios de Oitocentos, herdeira de alguns dos bons tiques de Shakespeare e conhecida por livros como Orgulho e Preconceito, Ema ou Sensibilidade e Bom Senso (só para citar os mais populares). Parece, aliás, que o desejo de Helena Vasconcelos era escrever sobre Austen e que Ana Teresa, a avó, os pais, Rebeca, Mark e as outras personagens do romance saíram da sua cabeça para que pudesse levar a cabo a tarefa de uma forma menos académica do que num ensaio, menos exaustiva do que numa biografia e, sobretudo, mais agradável para o leitor, que acaba por andar a fazer companhia a Ana Teresa (e ela bem precisa), deliciando-se com o seu questionamento sobre o que faria a escritora britânica se se visse nos seus apuros. Um romance inesperado, que podia ter sido arquitectado pela mão de Austen, compõe esta narrativa que se lê de repente.

 

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2