Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

13
Fev15

Palavrinhas

Maria do Rosário Pedreira

Ando intrigada com a familiaridade de algumas palavras (em termos de parentesco linguístico, por assim dizer) cujo sentido actual me parece muito distante. Cabeça, por exemplo, que vem do latim caput e em italiano se diz capo. A raiz latina torna claro por que razão o capataz e o capitão estão à cabeça das suas equipas e tropas e também porque chamamos capo ao chefe da mafia italiana. Também se percebe facilmente porque usamos a expressão per capita (por cabeça, por pessoa). Se considerarmos que a cabeça é a parte principal de uma pessoa (se a perdemos, adeus!), também compreenderemos porque se chama pena capital à pena de morte e porque um decapitado perde a cabeça, bem como porque a capital de um país é a cidade principal. É ainda mais ou menos óbvio para mim que a letra capital (também denominada capitular) seja a que está à cabeça do texto. Já menos clara é a palavra capítulo como divisão de um livro (parece que deriva de capitulum, que é um diminutivo de cabeça, mas não encontro a relação entre cabecinha e parte de um livro), embora seja mais simples de entender a mesma palavra como assembleia de monges (em sala do capítulo, por exemplo), pois consigo visualizar cabecinhas pensantes tomando decisões (mas provavelmente é outra a explicação). E, quando penso em recapitular – verbo giro, este –, entendo que voltar ao princípio é também regressar ao que estava à cabeça – e até aí tudo bem. Porém, mais uma vez tenho dificuldade em associar o verbo capitular e o substantivo capitulação a uma cabeça (uma cedência ou transigência feita com a consciência de que era o melhor para todos? Pode ser); e ainda mais estranhas me parecem as palavras capitalismo ou capitalizar, já que as relaciono com dinheiro e me parece que a paixão pelo dinheiro nada tem que ver com uma boa cabeça (sim, eu sei que é preciso ser inteligente para acumular riqueza ilicitamente e não ser apanhado, mas mesmo assim). Enfim, andei às voltas com isto, mas não consegui tirar as devidas conclusões. Conto com quem tenha melhor cabeça do que eu para o fazer.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 13.02.2015 15:13

    Credo!!!!
    Isso é sueco mesmo? Ou é "sueco a fingir" como o do cozinheiro dos Marretas?

    Eheheh!

    Abraço para Amarante!

  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.