Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

24
Abr15

Perguntem-me

Maria do Rosário Pedreira

E pronto, chegou a altura de se poder falar do romance escrito por João Pinto Coelho, o autor dos retratos de alguns dos Extraordinários que aqui postei como presente de Natal, romance disponível desde terça passada em várias livrarias e a partir de amanhã em todo o País. Chama-se Perguntem a Sarah Gross, foi finalista do Prémio LeYa no ano passado e é talvez o mais internacional romance português que publiquei até hoje (quando o lerem saberão porquê). E, se perguntarem, terei de vos dizer que é muito, mas muito bom, impossível de largar depois de se começar a ler. O enredo tem que se lhe diga - e tão depressa estamos nos anos 1960 num colégio elitista do Connecticut , dirigido pela carismática Sarah Gross, como nos vemos na Polónia desde o fim da Primeira Guerra Mundial até aos tempos duríssimos do Holocausto, em que os alemães deram a uma cidade que se chamava Oshpitzin, onde viviam muitos judeus, um estranho nome que, por péssimas razões, todo o mundo conhece hoje demasiado bem: Auschwitz. Entre a história de uma jovem professora que atravessa meio país a fugir a um segredo e a história de uma mulher que passou por um drama inesquecível e vive com um segredo ainda maior, esta ficção sobre a cidade que se tornou o mais conhecido campo de extermínio de sempre deixa-nos arrebatados pela sua estrutura, as suas personagens, os seus diálogos magistrais, a sua cinematografia (às vezes, parece mesmo que estamos a assistir a um filme). Perguntem-me, e dir-vos-ei que é imperioso que a leiam, até para poderem concluir que o talento do autor para desenhar não é, afinal, nem o seu único nem o seu maior talento. E ponho aqui também um link para uma pequena apresentação que vos vai certamente deixar com água na boca.

booktrailer

 _opt_VOLUME1_CAPAS-UPLOAD_CAPAS_GRUPO_LEYA_DQUIXOT

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2