Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

16
Fev17

Pobres avós

Maria do Rosário Pedreira

Os laços de parentesco são, aparentemente, muito fáceis de entender; e, quando, por exemplo, aprendemos uma língua estrangeira, entre os primeiros vocábulos que nos ensinam estão, quase sempre, as palavras «pai», «mãe», «irmão», etc.; mas, antes dessas, também a palavra «nome», que é, de resto, a forma de cada um de nós se identificar junto de alguém. Quando era pequenita, uma das minhas sobrinhas perguntou o nome completo à avó (a minha mãe) e, ao ouvir o apelido «Pedreira», comentou muito espantada: «Ah, então eu e a avó somos da mesma família!» Foi uma risota descobrir que, para ela, o termo «avó» dizia, enfim, menos do que o nome que era comum a ambas. As crianças têm a sua maneira de pensar muito própria e, já que falei de uma avó e de uma neta, não resisto a partilhar convosco um texto que apanhei por aí, escrito por uma criança, certamente a pedido de uma professora; é, no fundo, uma composição sobre as avós. Eu fartei-me de rir e apreciei bastante a qualidade da redacção. Quanto às ideias… Bem, espero que se divirtam tanto como eu.

 

58925_558210444218549_23043952_n.jpg

 

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2