Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

27
Fev24

Política e literatura

Maria do Rosário Pedreira

É conhecida a relação dos intelectuais com a política e foi bom ver o cardeal Tolentino Mendonça afastar algumas declarações de André Ventura de Deus. Nas Correntes d'Escritas, este ano os temas das mesas eram quase sempre versos de canções daquelas a que em tempos chamámos «de intervenção», embora Sérgio Godinho (autor de pelo menos uma das canções escolhidas pela organização) não goste do termo. Talvez por isso (e porque este ano se comemora o 50º aniversário do 25 de Abril, houve sempre alguém que fez uma comunicação política, ora lembrando o «antes» da Revolução dos Cravos, ora chamando a atenção para o que aí vem e para a desilusão de quem sonhou, viu acontecer e agora está a assistir a uma espécie de desmontagem do sonho. Gonçalo Tavares falou disto e de uma nova geração que é profundamente racista, evocando e discutindo o termo «democracia». Mas o que mais me afligiu foi uma conversa em privado com um amigo que, por razões de trabalho, circula pelo mundo. Agora a viver na Jordânia, onde trabalham muitíssimos palestinianos que não podem visitar as famílias, ficou horrorizado quando percebeu que, nas imobiliárias, já se estavam a vender lotes de terreno em Gaza, junto ao mar, para construção de condomínios de luxo, contando com o desaparecimento total de palestinianos muito em breve. O imbatível horror.

26
Fev24

Um romance multipremiado

Maria do Rosário Pedreira

Espero que tenham passado bem esta semana. Hoje, às 18h30, realiza-se a última mesa das Correntes d'Escritas no Instituto Cervantes, em Lisboa. Entre os participantes, estará Pilar Adón, a escritora espanhola do multipremiado De Bestas e Aves, que conta a história de uma pintora que conduz em plena noite sem saber que está prestes a chegar a Betânia – uma espécie de território fora do mundo, habitado por cabras, cães e mulheres que, no entanto, parecem estar à sua espera Ela não contou a ninguém para onde ia, nem levou telemóvel porque não pensava demorar-se. Detém-se ali apenas porque se perdeu e precisa de gasolina para regressar a casa. Desconhece, porém, que, para lá do portão a que bate, as mulheres se vestem e comportam de forma bizarra, que há entre elas uma menina sem pais que não vai à escola, que um estranho aparece de vez em quando a reclamar a casa, que um lago delimita as fronteiras do terreno, sobrevoado por aves de rapina. Não quer estar ali, mas algo lhe diz que aquele pode ser o último lugar da sua vida. Num romance em que, de forma super-inventiva, nunca ninguém responde ao que é perguntado, mas dá uma resposta mesmo assim, o leitor é convidado a descobrir uma escrita «em estado puro», segundo o jornal ABC. O romance foi galardoado em Espanha com o Prémio Nacional de Ficção, o Prémio da Crítica, o Prémio Francisco Umbral/Melhor Livro do Ano e o Prémio Cálamo, na categoria «La outra mirada», tendo ainda sido finalista do Prémio Dulce Chacón de Romance e nomeado para o Prémio Bienal de Romance Mario Vargas Llosa.

De Bestas e Aves_props1-frente.jpg

 

20
Fev24

Correntes

Maria do Rosário Pedreira

Hoje ao fim da tarde lá vou para a Póvoa de Varzim. Mais uma vez irei assistir, participar e apresentar livros como editora neste festival de línguas ibéricas que comemora em 2024 a sua 25ª edição e, ao mesmo tempo, celebra os 50 anos da elevação da Póvoa de Varzim a cidade e os 50 anos da Revolução de Abril. Tanta coisa num só ano é de loucos! A conferência de abertura (que já foi feita por figuras como Sobrinho Simões, Eduardo Lourenço, Marcelo Rebelo de Sousa ou Tolentino Mendonça, por exemplo) será de José Gil e versa sobre Literatura e Filosofia. As idas às escolas do concelho continuarão e haverá desta vez umas Correntes Itinerantes, em que os mais velhos vão explicar o 25 de Abril aos mais novos para eles saberem como era a vida antes de 1974. Nas mesas, estarão não apenas escritores, mas também gente de outros ramos, como é o caso de Pedro Abrunhosa ou Amélia Muge. Paralelamente, haverá exposições, formação para professores, teatro, concertos e muito mais. Contarei tudo no regresso, juro. Agora, só voltarei ao blogue na próxima segunda. O programa vai aqui:

https://www.cm-pvarzim.pt/territorio/povoa-cultural/pelouro-cultural/areas-de-accao/correntes-d-escritas/correntes-descritas-2024/programa/

 

 

19
Fev24

Machado & Fazenda na Lello

Maria do Rosário Pedreira

Há não muitos dias falei-vos da excelência dos livros de David Machado para crianças e jovens (e adultos, porque há muitíssimas pessoas de todas as idades que adoram lê-los). Um desses livros, o genial Esta História (sobre o qual escrevi aqui pouco depois de sair), foi publicado em Novembro último e tem ilustrações do premiadíssimo João Fazenda, que é um dos enormes ilustradores com que Portugal pode contar. Estes dois autores vão estar este mês a falar do seu trabalho e dos livros que fizeram juntos e separados na Livraria Lello, no Porto. A sessão já tinha estado marcada em Dezembro, mas acabou por não se poder realizar por causa das gripes e do Natal, e por isso vai finalmente ocorrer no dia 24 de Fevereiro, pelas 21h00. Sei que ainda falta bastante tempo, mas, como a inscrição é obrigatória e a sala tem lugares contados, sugiro que marquem presença.

16
Fev24

Excessos

Maria do Rosário Pedreira

Num fim-de-semana em que estava a escrever um texto para as Correntes d'Escritas e não tinha grande disponibilidade para livros extensos, comecei um livrinho de Stefan Zweig, Foi Ele?, com tradução e posfácio de Francisco de Nolasco Santos. Zweig é quase sempre uma garantia de tempo bem passado, e esta novela, que foi escrita ainda antes de o autor ter ido viver para o Brasil mas só foi publicada já ele lá estava (de resto, estreou-se com uma edição em português), é um livro algo atípico na obra do escritor. Partindo da relação entre dois casais, um mais velho e o outro mais jovem, vizinhos recentes numa propriedade junto de Bath, a mulher mais velha decide oferecer ao casal mais jovem um cachorro para que o excessivamente enérgico Limpley gaste energias e deixe mais sossegada a sua Betsy. A paixão-devoção do homem pelo cão é, porém, de tal forma que passa a ser o cão a mandar no homem e nunca mais se largam. Mas eis que Betsy de repente sabe que vai ser mãe e o cachorro passa para segundo plano com conseguências bastante sérias. Vale a pena ler, ainda que a tradução às vezes pareça esquisita em certas passagens, mas o posfácio é bastante interessante, sobretudo nas comparações que faz com a aceitação e o entusiasmo iniciais com o nacional-socialismo. 

15
Fev24

Os Lusíadas

Maria do Rosário Pedreira

Tive duas edições escolares de Os Lusíadas: uma de capa encarnada, que usava no colégio e herdara dos meus irmãos (já muito coçada e com a lombada descolada) e outra de capa verde-clara que alguém me recomendou: anotada, explicando as influências, as referências, a mitologia, as alusões, etc. A primeiríssima edição de Os Lusíadas é valiosa, claro, e houve um exemplar dessa edição recentemente comprado pela Livraria Lello. Mas há outros exemplares da primeira edição, que estão em bibliotecas, diferentes desse, apesar de todos referirem a mesma data e  mesma casa impressora; mas, nuns exemplares, a gravura que ornamenta o frontispício tem um pelicano com a cabeça virada para a esquerda, e noutros exemplares virada para a direita, além de que, entre as diferenças, certas capitulares não são iguais e o papel é diferente em dois exemplares supostamente da mesma edição. Porém, como nunca podemos ver à lupa dois exemplares ao lado um do outro, a dúvida prolongou-se e só agora, com a ajuda da investigação realizada por Rita Marnoto e publicada na sua recente Edição Crítica, com mais de mil páginas, sabemos que houve contrafacção e os exemplares são efectivamente de duas edições impressas em datas distintas. E agora? Quem comprou a primeira edição comprou mesmo a primeira edição?

14
Fev24

O poder da invenção

Maria do Rosário Pedreira

Os autores de livros infantis raramente resistem à tentação da pedagogia (incluo-me neste grupo, atenção) em detrimento de serem divertidos e conquistarem assim as crianças para a leitura. Graças a Deus, publico um autor (David Machado) que tem a perfeita noção de que o mais importante é ver crianças felizes com livros na mão, e por isso os seus enredos são sempre deliciosos e um pouco malucos, incluindo para nós, adultos, que adoramos lê-los. Neste A Noite dos Animais Inventados, para enfrentar o medo do escuro, Jonas decidiu inventar uma galinha. Por causa disso, os seus três irmãos acordaram e, entusiasmados, juntaram-se a ele inventando mais, maiores e melhores animais inventados, enchendo o quarto de animação e barafunda. Nem pode imaginar o jardim zoológico em que se transformou o quarto dos irmãos nessa noite. Mas... e os adultos, não ouviram nada? A Noite dos Animais Inventados foi, em 2006, distinguido com o Prémio Branquinho da Fonseca e adaptado ao teatro, faz parte do Plano Nacional de Leitura e está publicado em várias línguas. Ofereça-o às crianças, pois é um hino à invenção.

9789722132503_a_noite_dos_animais_inventados.jpg

12
Fev24

Amor e comida

Maria do Rosário Pedreira

É na Lisboa do século XVIII, desmedida e faustosa, a fervilhar de vida e infestada de ratoneiros, tabernas, comédias e casas de pasto, que perambulam as personagens Os Dias de Saturno, um romance cheio de reviravoltas: entre elas, o poeta satírico Tomás Pinto Brandão, «alfaiate dos costumes», ou o padre Rafael Bluteau, autor do Vocabulário Português e Latino; destacam-se, no entanto, o médico da corte João Curvo Semedo e o mestre cozinheiro Domingos Rodrigues, ambos secretos alquimistas e bons garfos. É certo que as suas experiências arriscadas nem sempre resultam como esperado; e agora, que o cozinheiro agoniza no leito, o seu filho adoptivo, portador de uma estranha marca de nascença, sai à procura de um velho médico e, de caminho, tropeça na rapariga dos seus sonhos... e em sarilhos. Reflexão sobre o que a vida nos reserva de inescapável, o romance Os Dias de Saturno, que Paulo Moreiras apresenta agora numa edição revista, trata a alquimia das emoções sem nunca esquecer os prazeres da mesa. Galardoado com o Prémio Gourmand na categoria Melhor Livro de História Culinária no ano da sua publicação original, oferece-nos uma leitura realmente deliciosa e intemporal. Não perca!

Capa.png

09
Fev24

Excerto da Quinzena

Maria do Rosário Pedreira

Tudo isso iria mudar. Já estava a mudar. Afinal de contas, aquele poderia ser o seu lugar. Por vezes, lá acontece encontrarmos o nosso espaço próprio, o predestinado a cada pessoa. O cantinho de terra, barro e árvores onde nos podemos deixar estar. De uma janela a outra. Até a cozinha, as lareiras. Tomando notas a lápis. Saindo para o alpendre para então se fixar na extensão de terreno que a rodeava, o passar do tempo e as suas sombras. Repetindo para si mesma: Sou compassiva. Sou universal. Sou absoluta. Uma reiteração associada ao rito. A um cerimonial em que se repetia a mesma fórmula como se se tratasse de um hino ou de um poema. Sem parar para pensar no seu significado. Sem refletir sobre a relação que pudesse existir entre as palavras. Sem esforço de memória.

Assim se comportava uma das mulheres de Betânia. Aquela a quem chamavam Coro.

 

Pilar Adón, De Bestas e Aves, tradução de Rui Elias

08
Fev24

Não ensinar

Maria do Rosário Pedreira

Li recentemente num jornal um interessante artigo sobre o facto de as teorias de Darwin andarem arredadas dos programas de ensino na disciplina de Biologia, não só cá em Portugal, mas em muitíssimos países do mundo. Isto é tão grave que, por exemplo, grande parte dos alunos pensa que a selecção natural e a adaptação às condições naturais é uma coisa que parou no tempo de Darwin, não entendendo que, por exemplo, isso tem que ver com a extinção de algumas espécies nos dias de hoje ou a adaptação de muitos vírus aos antibióticos (e daí ser tão difícil erradicar a malária), causando danos tremendos a muitos habitantes do planeta. Mas há mais: tal como quando eu era miúda não se falava do Big Bang porque os programas do Regime veiculavam a criação do mundo por Deus e era pecado dizer que o homem descendia do macaco (no meu catecismo de capa azul, Adão e Eva eram todos perfeitinhos e lindos de morrer), também hoje algumas teorias darwinísticas ofendem, pelos vistos, alunos que professam determinadas religiões ou têm crenças demasiado fechadas, pelo que, para não se ofender ninguém, o melhor parece ser escamotear a informação. Que é uma grande tristeza, é.

A autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D