Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

12
Abr12

E se alguém de repente...

Maria do Rosário Pedreira

Aqui há uns anos, havia um anúncio um bocado parvo (mas devia ser bom, pois de outro modo não me recordaria dele) em que uma voz dizia à rapariga que ia pela rua que, se um desconhecido de repente lhe oferecesse flores, isso era Impulse (a marca do desodorizante que se pretendia anunciar). Quando fui trabalhar para a LeYa, dei-me conta de que na equipa comercial havia uma pessoa que se dedicava exclusivamente às vendas por impulso – e tenho ideia de que tomava conta de clientes específicos como as bombas de gasolina, entre outros, aonde as pessoas não vão especificamente comprar livros, mas podem levá-los «por impulso». Com o fecho de muitas livrarias no País e a ameaça de que outras irão pelo mesmo caminho, os leitores que vivem longe dos centros urbanos ficarão certamente mais pobres; porém, os optimistas defendem que é sobretudo para esses que servem as livrarias virtuais (que, ainda por cima, lhes farão chegar os livros directamente a casa). Estas desenvolver-se-ão em Portugal, estou certa, até porque o número de e-books comprados aumentará com os novos dispositivos; mas significarão, muito provavelmente, a perda das tais vendas por impulso. A página de abertura de uma Amazon já poucos livros tem e, ainda que as congéneres portuguesas não se tenham posto até agora a vender roupas de marca e electrodomésticos, a verdade é que o número de livros no écran inicial corresponde, quando muito, ao que está na montra de uma livraria, mas os restantes livros estão mais ou menos escondidos e é difícil, desse modo, impulsionarem alguém...

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    ASeverino 12.04.2012

    O nosso amigo Mário quando quer comprar um livro não vai a uma livraria...ele não sabe nem sonha o que perde.

    Vai à internet, mas podia perfeitamente ir a uma mercearia, a uma drogaria a uma chapelaria, desde que vendesse livros...ele não sabe nem sonha o que perde...

    Roll-up/algorimetros, etc. fiquei completamente à banda com estas novas palavras...

    Comprar um livro é como quando eu era pequenino e ao domingo me vestia de lavado...

    É preciso "nadar" dentro dos livros no seu meio ambiente, é preciso desfolhear os livros no seu meio ambiente, é preciso tocar nos livros no seu meio ambiente e quem gosta verdadeiramente de livros o seu meio ambiente é uma livraria, e como eu sempre adorei entrar em livrarias, nunca ninguém me obrigou a comprar.

    Outro canal que - agora- é muito mais forte do que as livrarias: os hipermercados - como é possível!

    É a mesma coisa que eu digo acerca de alguns comentadores de futebol (os Lobos e outros que tais)- não percebem nada de futebol, porque nunca cheiraram o balneário, nunca, à 2ª. feira, andaram com os joelhos (todos pintados de mercurio cromo e de puz) colados às calças...
  • Sem imagem de perfil

    Mário Rufino 12.04.2012

    AS Severino,
    Compreendo o que me diz em relação às livrarias. Temos posturas e ideias diferentes, mas que se unem no principal:
    Adoramos ler, não é verdade? E quando nos oferecem um livro, por exemplo, olhamos para o autor, título e depois para o conteúdo; não perguntamos onde foi comprado.
    Por isso, penso estarmos em consonância quando dizemos que gostamos muito de ler.
    Abraço
    Mário
  • Sem imagem de perfil

    ASeverino 12.04.2012

    E efectivamente como o meu amigo Mário diz, há uma coisa que nos une - o gostar de ler! E este gosto é fundamental, isso é que interessa, é verdade Mário, mas vou deixar cair aqui uma inconfidência -no meu casamento os preliminares têm sido tão importantes...
  • Sem imagem de perfil

    Mário Rufino 12.04.2012

    ahahaha. É justo! Abraço
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D