Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

25
Jun12

Do velho se faz novo

Maria do Rosário Pedreira

Quando comecei este blogue, referi que ele serviria sobretudo para falar do que fosse lendo (as horas extraordinárias são essas); e, se alguma vez me referi ao que eu própria escrevi, acho que foi apenas para contar algum episódio à roda disso, e não para falar dos livros. Contudo, passei o fim-de-semana a ver as provas da minha Poesia Reunida e, como tal, não só me tornei leitora da minha própria obra (juro que já não me lembrava de ter escrito certos textos), como isso me impediu de escrever posts para o blogue, porque o tempo, infelizmente, não dá para tudo. Por isso, hoje os leitores do Horas Extraordinárias terão direito a um post simultaneamente egocêntrico e preguiçoso – mas, acima de tudo, feliz. É que os meus livros de poesia estavam fora de mercado há muito tempo, e ainda acho um milagre que a Quetzal os tenha querido publicar todos juntos! A edição sairá em Setembro (que é o mês em que nasci) e incluirá, além dos três títulos anteriores, um livro inédito chamado A Ideia do Fim. A abrilhantar tudo, um prefácio de Pedro Mexia. E em Setembro volto à carga, ouviram?

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António 25.06.2012

    Muito bom! Já conhecia porque os poemas da MRP fazem parte de todos nós através da Internet. Atrevo-me, já que a MRP está a rever a obra para voltar a publicá-la, a assinalar duas passagens que me feriram um pouco o ouvido (pelo menos nesta transcrição)...

    Onde está, no 2º verso, "Estou assustada à espera que regresses" eu gostaria mais de "Estou assustada à espera DE que regresses";

    E onde está, no último verso, "E eu tremo, com medo que não voltes", soa-me melhor "E eu tremo, com medo DE que não voltes".

    Enfim, com as minhas desculpas por ser atrevido, até porque sei que aqueles DE's têm vindo a cair em desuso (sobretudo em Lisboa e sobretudo na construção de frases como a primeira).

    Um belíssimo poema sobre o amor e as rotinas que no amor nos completam.
  • Na prosa, nunca «comeria» esse «de», acredite. Mas a poesia permite algumas liberdades para a música soar melhor, pelo menos ao ouvido de quem a escreve.
  • Sem imagem de perfil

    Jocamartinho 25.06.2012

    Aconselho o António a ler um post da Rosário em 18 de Setembro de 2010, precisamente sobre os "de".
    Mesmo que a quisesse contrariar, não podia. Ela tem razão. Para além disso, acho "de" mau gosto a perseguição aos "de", a pobrezinha da preposição que cabe muito bem entre dois substantivos. Os "de" podem colidir com a leitura da poesia, mais corrente, mais palpitante; daí dispensáveis, neste género.
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D