Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

13
Jul12

Títulos

Maria do Rosário Pedreira

Um bom título é importante, se queremos que leiam os livros que escrevemos – e já me aconteceu chegar um livro muito bom com um mau título (e o autor acabou por mudá-lo); chegar a um livro com um título excelente que não correspondia ao que o livro tinha dentro (e não o publiquei); e até haver um título que foi alterado à última hora porque incluía uma palavra «difícil» que cerca de 70 por cento das pessoas que então trabalhavam na editora não conheciam, e a administração achou melhor não correr riscos... Mas há que reconhecer que temos na nossa terra alguns bons escritores com grande talento para intitular. Entre os meus títulos preferidos, está Boa Tarde às Coisas Aqui em Baixo, de António Lobo Antunes, que sempre achei genial, ou Era Bom Que Trocássemos Umas Ideias sobre o Assunto, de Mário de Carvalho, que sabe nomear um romance na perfeição e também já nos brindou com Um Deus Passeando na Brisa da Tarde. De outra geração é o autor que nos tem habituado a querer ler os seus livros só pelos títulos, José Eduardo Agualusa, que tem um trio perfeito: As Mulheres do Meu Pai, Barroco Tropical e Milagrário Pessoal – e que recentemente fez jus ao seu jeito e inteligência e escreveu Teoria Geral do Esquecimento, que apetece logo ler (assim que possa, fá-lo-ei) mesmo sem se saber de que trata. Mas a arte não é para todos, e tenho pena daqueles que escrevem livros belíssimos e que depois, no título, deitam tudo ou quase tudo a perder. No caso de serem autores reconhecidos, com leitores fiéis, ainda vá que não vá; o problema é quando se estreiam com romances muito fortes em que ninguém pega por causa de um título menos apelativo...

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Marta Menezes 13.07.2012

    Eu sou fã e gosto que se fale dos meus escritores: ele, o Lobo Antunes, o Águalusa, o Kundera, etc., etc. E não acho que seja esforço nem que seja comovente.
    Tenho seguido este blogue e percebi que algumas pessoas começaram a ler o autor por causa dos comentários que foram surgindo.
    Senti na sua frase muito cinismo, talvez por o autor ser menos conhecido que os outros. A autora do blogue também se esforça por promover os seus autores. Acha isso comovente?
    Talvez fizesse melhor em ler os livros de Luís Caminha, para poder criticar melhor... De resto, acho que este blogue não teria metade do interesse se apenas se falasse de autores conhecidos.
  • Sem imagem de perfil

    Bruno 13.07.2012

    Como é que sabe que nunca li os livros do Luís Caminha? E a crítica que faço não é aos livros mas aos fãs que, a torto e a direito, e a despropósito, mencionam aqui o nome do autor, certamente convencidos que a caixa de comentários do Horas Extraordinárias é um excelente meio de divulgação. A propósito, Um Pinguim na Garagem revela alguma qualidade, mas está longe de ser um grande livro. O autor está constantemente a tentar demonstrar o seu virtuosismo, que chega a parecer acrobacia temerária sem qualquer utilidade para a história.
  • Sem imagem de perfil

    Mariana Lopes 13.07.2012

    Olá, Bruno,

    Até que enfim uma opinião negativa. Já começava a achar estranho, não gosto de unanimidades (é por isso que resisto, por exemplo, ao Gonçalo M. Tavares).
    Para mim, o primeiro livro do Caminha é muito bom e o segundo é ainda melhor. Além disso, os livros estão, para mim, escritos de um modo muito simples, embora nos façam pensar. Não percebo o que quer dizer com o autor tentar mostrar "virtuosismo"... Depende do ponto de vista: se for daqueles críticos que defendem o grau zero da escrita/escritura, sim, são livros armados aos cucos. Se não, deixe-me dizer-lhe que é bem menos virtuoso do que um Saramago ou um Lobo Antunes, por exemplo.
    Não noto muita diferença entre os comentários acerca deste autor e acerca de outros que por cá vão aparecendo. A autora do blogue faz divulgação, por que não hão-de os leitores divulgar aquilo de que gostam, se ela decidiu dar-lhes a palavra e se essa divulgação, pelo que tenho visto, está encaixada nos temas que ela propõe?
  • Sem imagem de perfil

    Bruno 13.07.2012

    O problema no livro que li do Luís Caminha é esse. É menos virtuoso que o Saramago e o Lobo Antunes, faltam-lhe unhas para tocar à "virtuoso", mas ele insiste em fazê-lo. É o mesmo que ver um miúdo que ainda agora aprendeu a tocar guitarra a imitar o estilo de Paco de Lucia. Claro que só se pode espalhar ao comprido.
  • Sem imagem de perfil

    Margarida de Melo 13.07.2012

    Luís Caminha é virtuoso, sim, e com unhas na medida certa!
    Esta troca de ideias faz-me pensar que só a um escritor instalado se admite virtuosismo e que num escritor novo isso é mal visto e é visto como incapacidade para contar uma história (nalguns casos será). Lembra-me outras opiniões que tenho visto de outros óptimos escritores, como por exemplo o Rui Vieira, outro virtuoso, que entraram demasiado "depressa nessa noite escura" que é a moderna literatura... Deviam ter entrado mais de mansinho, sem voz própria. Daqui a um século se saberá quem tem ou não valor, isto para os que conseguirem sobreviver a esta máquina de terraplenagem que é o nosso mundo globalizado.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D