Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

18
Mar13

Uma vida nos livros

Maria do Rosário Pedreira

Leio no blogue de um amigo espanhol editor e escritor, Adolfo García Ortega, uma história belíssima de uma chilena, Susi Armendáriz, que, vivendo perto do Cabo Horn, apenas conseguiu ver o seu farol aos noventa anos, pois desde pequena que praticamente não saía da aldeia onde nascera. Aos dezoito anos, foi para casa de uma senhora rica e cega ler-lhe diariamente romances, onde ficou até aos trinta e quatro, altura em que a patroa morreu. Mas poucas semanas depois ofereceram-lhe um novo emprego como leitora noutra casa próxima. Desta feita, a senhora não era tão rica, mas estava também cega, e foi com ela que passou os quinze anos seguintes, lendo continuamente. Aos sessenta e sete anos, Susi fizera da leitura em voz alta a sua única profissão e, quando a nova patroa morreu, conseguiu outros trabalhos do mesmo tipo até ser ela própria muito velhinha. Nos últimos tempos em que trabalhou, já nem sequer lia, repetindo à sua maneira as histórias que conhecia desde a juventude. Quando praticamente cegou, contava a si mesma essas histórias, como se fossem recordações da própria vida, acabando por confundir a realidade com a ficção: sem ter saído da sua aldeia, acreditava que já estivera em muitos locais que serviam de cenário aos romances que lera e que protagonizara muitos dos episódios ali contados. Quando, aos noventa anos, a levaram finalmente a ver o farol do Cabo Horn, essa foi a sua última recordação.

4 comentários

  • Eu publiquei deste autor um fantástico romance chamado «Café Hugo» e o livro que ASeverino menciona, ambos na Temas e Debates.
  • Sem imagem de perfil

    ASeverino 18.03.2013

    E que belos eram aqueles livros (como "O COMPRADOR DE ANIVERSÁRIOS")
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 18.03.2013

    Os tempos que vivemos têm coisas muito boas. Pesquisei o livro que o Severino referiu e, após uns clicks, dei com ele a bom preço num desses sites onde podemos vender coisas. Já fiz a transferência e espero tê-lo nas mãos dentro de dias.

    É o que mais gosto neste blog. Descubro autores que por certo não descobriria sozinho. Não gostei de tudo o que li, influenciado por recomendações da Maria do Rosário ou por algum dos fiéis seguidores das horas extraordinárias, mas devo dizer que o saldo é francamente positivo, ao ponto de não ter hesitado em comprar este livro hoje (o preço ajudou muito, confesso, que os tempos estão difíceis).

    Vou fazer uma nota mental para deixar a minha opinião, uma vez lido o livro. O tema interessa-me muito, já estive duas vezes em Auschwitz e ... (prefiro que as reticências terminem a frase).

    Anotei o outro livro do mesmo autor, fica a aguardar que me apaixone pelo comprador de aniversários.

    Rui Miguel Almeida
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.