Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

15
Abr13

Maturidade

Maria do Rosário Pedreira

Sempre quis ler Mario Benedetti, um escritor uruguaio nascido em 1920 e tido pelos seus contemporâneos (e não só) como um dos melhores ficcionistas latino-americanos. Como acontece com muitos outros autores que quero ler antes de morrer, não tinha ainda calhado, mas valeu-me um dia destes uma colega editora – a Rosário Alçada Araújo – para que a ocasião se apresentasse e já não fosse possível fugir-lhe. O livro, A Trégua, foi então emprestado e lido de um fôlego. Com mais de cem edições e de um milhão e meio de exemplares vendidos só em língua espanhola, o romance conta a história de um viúvo à beira da reforma que sonha e teme o ócio em doses iguais, depois de ter criado sozinho três filhos que conhece (e o conhecem) bastante mal. Mas eis que, a seis meses de se refastelar num dolce far nienti, aparece no escritório onde trabalha uma rapariga de vinte e quatro anos, Avellaneda, que vai mudar a sua vida e dar um novo alento a uma existência que antes era apenas rotineira e modorrenta. Escrito como um diário, este é um relato de um homem maduro que descobre que ainda tem direito à felicidade e que ganha uma opinião distinta de si próprio à medida que o seu relacionamento amoroso evolui. E, se a narrativa parece mais ou menos linear, a verdade é que o leitor há-de levar às tantas uma estalada na cara, para a qual não houve avisos nem sinais, revelando a mestria de Benedetti num surpreendente volte-face. A única estranheza do romance é que o protagonista tem apenas quarenta e nove anos e é sempre descrito como alguém à beira da velhice – e eu, que já tenho cinquenta e três, enfim, não me sinto tão acabada. O romance é, porém, de 1960 e, pensando bem, nesse tempo em que eu era criança talvez achasse a minha mãe, como dizem os miúdos, uma cota.

3 comentários

  • O primeiro não li, vou tomar nota. Os dois do meio são maravilhosos (há um livro que em tempos publiquei do Sebastian Barry que também é muito bom: chama-se The Whereabouts of Eneas MacNulty (já não me lembro bem do título em português, mas basta procurar por Eneas McNulty e de certeza que o encontra). O último por acaso achei meio meloso quando li, não me encheu as medidas (e também não gosto muito do filme com o mesmo nome, sei lá porquê). Um abraço.
  • Sem imagem de perfil

    MM 15.04.2013

    já somos duas, querida rosário.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D