Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

03
Mai19

Crónica e o bairro Adília

Maria do Rosário Pedreira

Hoje é dia de crónica e aqui vai o link:

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/20-abr-2019/interior/as-novas-amendoas-10812675.html

 

A nossa poesia continua a dar cartas lá fora. Já me tinham dito que no Brasil a poetisa Adília Lopes era considerada praticamente uma deusa; e agora é a Colômbia que se mostra rendida à sua poesia. Na última FilBo (a Festa Literária de Bogotá), realizou-se na Universidade dos Andes a actividade «Por el barrio de Adília Lopes», um encontro académico internacional à roda da poética de Adília Lopes, com intervenções e leituras de vários portugueses, como Rosa Maria Martelo, Filipa Leal, Pedro Rapoula, Mafalda Veiga e Raquel Nobre Guerra, e também uma exposição. Olha que bom.

 

58800360_10217784477740104_6568796984788910080_n.j

 

02
Mai19

O que ando a ler

Maria do Rosário Pedreira

Assim que vi que ia sair em Portugal mais um romance de Julian Barnes – o autor que ficou famoso com O Papagaio de Flaubert e que venceu o Man Booker Prize em 2011 com o magnífico O Sentido do Fim, sobre o qual escrevi aqui no blogue –, afiei o dente e guardei espaço (ou melhor: tempo). E é mesmo o novo Barnes que ando agora a ler, o romance intitulado A Única História, traduzido por Helena Cardoso e publicado pela Quetzal, que tem vindo a dar à estampa quase todos os anos um romance deste escritor britânico aplaudido dentro e fora de portas. Pois bem: A Única História conta o primeiro amor de Casey Paul, um rapaz de classe média cuja mãe metediça o inscreve no clube de ténis para ver se ele encontra noiva de estrato superior, o que daria bastante jeito. Mas, ao contrário do desejo materno, Casey apaixona-se por uma parceira de ténis quarentona (com duas filhas universitárias e um marido gordo e instalado esquecido do sexo) que vê obviamente no rapaz de 19 anos uma luz que faz brilhar o seu amor-próprio (e não só). A história – única, claro – é contada pelo próprio Casey com uma desfaçatez desconcertante, como se em nada o atingisse o adultério da sua mais-que-tudo (ele convive com a família de Susan nunca sentindo que os atraiçoa), até ao momento em que, «por razões óbvias» (palavras de um bilhetinho que chega por correio), ambos são expulsos do clube. E é nesta parte que vou – ansiosa por logo à noite ler mais um bocadinho, claro. Até agora, tenho-me divertido muito.

Pág. 3/3