Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

25
Out10

O enciclopedista e o pretenso poeta

Maria do Rosário Pedreira

Quando tinha dezasseis anos, saiu-me num exame de Francês um texto delicioso. Contava a história de um jovem poeta que tinha ido encontrar-se com o grande Diderot para lhe mostrar o que andava a escrever e auscultar a sua opinião. O enciclopedista não se negou a dar-lha, mas pediu que deixasse os poemas e lhe desse tempo para os ler com atenção. Quando, ao fim de alguns dias, o jovem regressou, seguramente expectante, Diderot explicou-lhe que não só aqueles poemas eram maus como mostravam que o seu autor nunca seria capaz de escrever bons poemas... Como não sou Diderot – e embora às vezes me apetecesse –, não posso dizer nada de semelhante a alguns jovens (e não tão jovens) pretensos escritores que me mandam os seus livros (embora um dia destes Lobo Antunes me tenha dito que só se pode fazer um bom editing com crueldade). Tento, mesmo assim, ser frontal sem magoar demasiado na minha tentativa de dissuasão. Mas nem sei se chego aonde quero, porque, para ser franca, sei de muitos livros que recusei e foram, ainda assim, publicados por outras editoras. Alguns – pasme-se – até me incluíam nos agradecimentos... A propósito, O Poeta de Pondichéry, livro de poemas de Adília Lopes, refere-se a este jovem poeta que Diderot mandou passear.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Kássia Kiss 25.10.2010

    Concordo Karlos, o exemplo do Harry Potter é paradigmático, pois a sua autora só conseguiu publicar o primeiro volume numa editora (àquele tempo) pequena, praticamente desconhecida, que achou piada à história e resolveu publicar 500 exemplares. Vi um programa de televisão sobre isso, foi entrevistado o director (agora milionário) dessa editora, que, ao saber que a J. K. Rowling vivia de subsídio de desemprego, lhe disse: "Não desista de procurar emprego, pois não pense que poderá viver apenas de livros infanto-juvenis"!!!

    Claro que a J. K. Rowling é uma excepção. Mas prova que casos como os dela são possíveis. Por mais competência que um editor tenha, tem sempre uma opinião pessoal, gostos próprios. E, o facto de não gostar de um original, não quer dizer que ele não valha nada (embora, na sua maioria, seja mesmo assim).

    Também conheço o caso de um livro alemão que foi recusado por cerca de 20 editoras. Também deu programa de televisão, pois, quando, finalmente, foi publicado, tornou-se num Best-Seller. O título é "Schlafes Bruder", não tenho o nome do autor presente e o caso já se deu há alguns anos.

    "Sei de muitos livros que recusei e foram, ainda assim, publicados por outras editoras" - acho, com todo o respeito, cara Rosário Pedreira, esta frase um pouco infeliz, ninguém é dono da verdade.

    Sim, eu acuso-me, tenho "pedra no sapato". Vamos ver no que dá...
  • Conheço o livro, publiquei-o em Portugal com o título «Quem Ama não Dorme». Era de um autor austríaco, Robert Schneider. Lindo, de facto. Todos os editores falham de vez em quando, claro, e também podem recusar livros que pensam não ser bons para a sua editora e que noutra ficarão bem. Não é a mesma coisa que recusar poemas obviamente maus, como era seguramente o caso do poeta de Pondichéry. Mas deixe-me eslcarecer que tento deixar o meu gosto pessoal de lado: há muitos autores que considero de grande qualidade e de quem não gosto. Não os deixaria de publicar por isso, evidentemente.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D