Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

19
Set14

Centenário

Maria do Rosário Pedreira

Comemora-se este ano o centenário do nascimento de um dos maiores escritores argentinos do século XX, Julio Cortázar, conhecido sobretudo pelo original Rayuela (romance experimental de 1963, traduzido e publicado em Portugal com a chancela da Cavalo de Ferro) e pelos seus contos especiais e marcantes. Descrito por Carlos Fuentes como o «Simon Bolívar do romance», Cortázar – apoiante da revolução sandinista, de Fidel Castro e de Salvador Allende – foi perseguido nos anos 1940 na Argentina pelos peronistas e exilou-se na Europa, tendo vivido em Paris e trabalhado para a UNESCO como tradutor. De tal modo a sua prosa era requintada e original que, já em criança, a própria mãe desconfiou de que o rapazinho copiava o que escrevia... Mas não, o filho era mesmo um génio e os tempos acabaram por trazer-lhe o reconhecimento que merecia. Este ano haverá, pois, em várias partes do mundo um sem-número de celebrações dos cem anos do seu nascimento, entre as quais se destaca uma grande exposição, Los Otros Cielos (o título é roubado a um dos seus contos), no Museu Nacional de Belas-Artes de Buenos Aires, que constituirá uma retrospectiva da vida do escritor com base nos arquivos que deixou – correspondência, fotografias, filmes e até móveis – e espera milhares de visitantes. Paralelamente, estarão igualmente expostos retratos do escritor realizados por vários fotógrafos profissionais e haverá debates e conversas à volta da sua obra um pouco por todo lado. Em Portugal, a revista Blimunda da Fundação José Saramago dedicou o seu número de Agosto ao autor argentino. Se não o conhece, esta é uma boa altura para começar a lê-lo.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    João Oliveira 19.09.2014

    Também tive algum receio antes de começar, pensei que fosse um livro muito hermético e fazia-me confusão a questão dos capítulos não serem sequenciais. Mas a verdade é que, se seguirmos a tabela proposta por Cortázar, o livro é bastante fácil de ler, porque os capítulos da parte "essencial" são apresentados pela sua ordem, entre os quais se vão colocando os capítulos da parte "prescindível". Pode parecer complicado, mas não é. Acaba por ser uma experiência de leitura muito interessante.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.