Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

08
Nov16

Central Madrid

Maria do Rosário Pedreira

As pessoas que gostam de livros têm sempre coisas em comum... Um destes fins-de-semana, aproveitando o feriado e a ponte, fomos a Madrid, o Manel e eu. E, estando lá, não pudemos deixar de visitar livrarias como outros visitam museus ou lojas (e nós também, mas no dia seguinte). Tínhamos conhecido uns anos antes uma livraria fantástica em Barcelona, daquelas que já não encontramos em Lisboa, chamada La Central, e alguém dissera ao Manel que havia agora também uma La Central na capital espanhola, pelo que estávamos com água na boca para a conhecer. Fomos e, claro, comprámos livros. A loja de Barcelona que tínhamos visitado é mais bonita, mas esta tem igualmente aquelas coisas que já não se encontram nas FNAC e similares, e cheira a papel e chão encerado em vez de cheirar a ladrilhos e telemóveis. No dia seguinte, encontrámo-nos com dois amigos que descobrimos estarem também em Madrid nesse fim-de-semana, o Nuno e a Manuela Júdice. E, quando lhes perguntámos que planos tinham para aquela manhã, a resposta foi rápida: La Central, claro. Fomos outra vez. As pessoas que gostam de livros têm sempre coisas em comum.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 08.11.2016 14:45

    E ao Carivo? Ó Severino... até vamos ao Carivo, à Kalohanga, ao Dombe... eu sei lá! Vamos a toda a parte - aliás sendo essa a nossa diferença para com Deus, que está em toda a parte, nós vamos!

    Ahahah!
    Grande abraço global cá da Cidade Morena!
  • Sem imagem de perfil

    ASeve 08.11.2016 14:53

    Nem de propósito: anda Pacheco...

    Um amigo meu (que tem o Pai em Angola) fala-me muito no Caribe (que que será Caribe - será Pacheco?)
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 08.11.2016 16:22

    Caribe? Confesso que não conheço e nem ouvi falar.
    Esta fazenda de que falei chama-se Carivo - é em Benguela (80 Km para SE.
    É propriedade de uma família de velhos colonos-sertanejos, e o seu fundador Álvaro Eugénio Pedrosa foi talvez o último sertanejo! Tem uma história daquelas que dava para um bom livro ou contar diante de uma garrafa daquelas que se estendem pela noite, eheheh!

    Abraço!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.