Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

19
Fev15

Comer, beber e falar

Maria do Rosário Pedreira

Paulo Moreiras já confessou gostar tanto de escrever como de cozinhar; e eu acrescentaria que este meu autor também gosta bastante de comer e beber – sem isso não conseguiria, de resto, escrever tão apaixonadamente sobre comida. Mas é verdade que para ele as palavras alimentam tanto como uma boa refeição e a sua paixão por elas levou-o recentemente a uma ambiciosa aventura, a de coligir num volume tudo o que há de interessante para saber sobre pão e vinho: festas, adivinhas, provérbios, lendas, superstições, poemas, pequenas histórias, filmes… e muito mais. Amanhã vamos poder saborear uma vez mais o seu Pão & Vinho – entretanto galardoado com o Prémio Gourmand! – na Figueira da Foz, onde estarei também eu a participar em mais uma 5.ª de Leitura que, excepcionalmente, vai acontecer à sexta. Será às 21h30, na biblioteca da cidade, e crê-se que a audiência já vá jantada, porque as palavras do Paulo Moreiras costumam fazer fome. Se estiver por perto, apareça e de certeza que não se arrependerá!

 1016735_730339247063253_2320776433243737184_n.jpg

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 19.02.2015

    E assim eram as vindimas... noutro tempo!

    Havia ranchos a vindimar! Ouvia-se pelas encostas o cantar e gralhar das mulheres e cachopos que devastavam as vinhas, suadas e tisnadas sob os chapéus de palha, de saias e aventais de riscado, floridas blusas de chita, desparrando e cortando à navalha ou tisoira os cachos, para dentro das cestas de asa de vime, pegajosas do açúcar suado pelas uvas maduras. Homens de ar grave e cigarro ao canto da boca, sacas de serapilheira atadas a tiracolo, passavam por entre elas que despejavam as cestas para os grandes cestos vindimos transportados ao ombro. Metiam-se com eles, provocavam-nos com ditos e cantigas. Eles em silêncio, passadas medidas em esforço por sobre os torrões. Era o tempo da brejeirice das mulheres, fortalecidas pela companhia, e, dos namoros! Algum, solteiro ou mais vivaço, respondia… mas elas ganhavam-lhes no jogo das palavras! Como formigas num carreiro, dirigiam-se para o alto, onde estavam os carros de bois que recebiam as uvas em grandes dornas assentes sobre molhos de tojo para não escorregarem, amparadas por fueiros de oliveira, grossos e polidos. A tudo o mosto dando cor e brilho! Subiam ao carro por uma grossa tábua com traves pregadas e viravam os cestos directamente do ombro para dentro da dorna, enchendo-a das uvas que um rapaz com um maço de madeira calcava.
    Os carros não paravam! Enquanto enchiam um os bois eram engatados a outro já cheio que marchava para o lagar. As coleiras de campainhas, ranger de cabedais, a chiadeira de eixos e o estalar da madeira dos carros pesadamente carregados, soavam pelos caminhos, testemunho do esforço, com o vozear dos boieiros a encorajar os animais:
    - “Éh qu’ié galante! Héi diamante!”.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D