Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

31
Out14

Cortes na educação

Maria do Rosário Pedreira

Já não me devia admirar com cortes e mais cortes que este Governo tem levado a cabo em todas as áreas. Embora não seja seguramente das pessoas mais afectadas com eles, também os senti – e tenho, sobretudo, olhos na cara para ver o que se passa à minha volta, principalmente com os mais desprotegidos. Apesar de tudo, quando o orçamento de 2015 foi anunciado, não queria acreditar que a educação tivesse sofrido um corte tão drástico (depois dos inexplicáveis cortes nas universidades, que deixaram de ter dinheiro para quase tudo, e das bolsas de investigação que se evaporaram, foi simplesmente demais). Na verdade, era em cultura e educação que devíamos investir pois sem ambas nunca chegaremos a lado nenhum (e às vezes sinto que, com a emigração de tantos licenciados bem preparados, que nunca mais voltarão a Portugal, sobrarão apenas os mal preparados e os ignorantes, o que dá, aliás, muito jeito a quem manda para lhes cair em cima e não haver reacção). A diminuição na venda de livros recentemente divulgada por um estudo universitário exaustivo sobre a matéria tem certamente já que ver com isto: a escola não está a saber criar hábitos de leitura. Os condicionamentos são cada vez maiores: crianças que andam todos os dias quilómetros de autocarro porque fecharam as escolas da sua área de residência, professores que são colocados a milhas de casa e que não têm motivação nenhuma para ensinar. Isso explica talvez porque em 2014 concorreram mais pessoas à Casa dos Segredos do que à universidade. Não, não é o País que temos; é o País que querem que tenhamos.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 31.10.2014

    Cristina, situação similar aconteceu comigo e percebi que deixaram passar o tempo para só me avisarem quando os juros estivessem ao rubro e já estava a chegar a data da prescrição (senão deixavam aquecer uns anitos mais). É amealhar até ao último tusto. Além de que já me obrigaram a pagar duas vezes o mesmo ano de imposto automóvel. Como não tinha guardado o recibo de há cinco anos, disseram eles, não podiam fazer nada.

    Agora está em estudo uma lei segundo a qual, se uma pessoa se passar um pouco com estas injustiças e falar um pouco mais alto com os funcionários das finanças, recebe ordem de pildra.

    O Estado nunca foi, em Portugal, pessoa de bem. E hoje ainda menos.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 31.10.2014

    Ana Bento
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.