Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

21
Jan19

Ecos de Eco

Maria do Rosário Pedreira

Tendo morrido há coisa de três anos, Umberto Eco continua, ainda assim, a fazer eco pelas nossas vidas, e não só pelos livros que deixou escritos. Recentemente, encontrei um velho artigo numa revista espanhola (um daqueles acasos em que estamos muito decepcionados com o presente e dá jeito encontrar algo que faça sentido) que, embora não especialmente laudatório para o escritor e pensador italiano, trazia muitas frases dele retiradas de entrevistas que, seguramente, ficarão para a história (e na nossa memória). A primeira – que é conhecida e talvez até já a tenha partilhado aqui a propósito do argumento ecológico contra o livro em papel – é que, se todos os chineses usassem papel higiénico, não haveria bosques (já vi que costumo citar mal; digo: «Se todas as pessoas do mundo […] não haveria planeta», mas não é grave). Quase como profecia (essa entrevista fora dada em 1997 e temia-se pelo futuro do livro por causa do advento do digital), está a afirmação de Eco de que a Xerox teria um projecto utópico sobre as bibliotecas que era pô-las em rede; as pessoas teriam então uma máquina em casa ou no trabalho para aceder aos livros e seria tudo muito simples (projecto que ao filósofo parecia muito melhor do que a pirataria das fotocópias e mais fácil de controlar os direitos de autor). E esta, hã? Não andou muito longe da verdade. Mas a minha tirada preferida é esta: «Nem racistas nem leis poderão evitar a grande mestiçagem cultural que se avizinha.» Que sonho fantástico, senhor Eco. Mas será mesmo assim, apesar do Erasmus e outros programas do género? Umberto Eco, que dizia que os escritores não deveriam fazer profecias nem futurologia, não chegou a saber de muitos muros foram construídos no mundo para evitar essa «mestiçagem»…

11 comentários

Comentar post

A autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D