Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

23
Mar15

Literatura francesa

Maria do Rosário Pedreira

Embora tenha sido a França a oferecer aos Estados Unidos a Estátua da Liberdade, os americanos não retribuem lendo a literatura francesa... Muitos autores franceses queixam-se de que estão traduzidos em várias línguas, mas que não são publicados nem no Reino Unido nem nos EUA, e até o Prémio Nobel Le-Clézio é praticamente um desconhecido nestes países (Modiano há-de ter destino semelhante, digo eu). Haverá algum problema específico com a literatura francesa que justifique tal ausência? Bem, leio num artigo da Internet assinado por Dennis Abrams que a produção literária anglo-saxónica é de tal forma volumosa que deixa pouco espaço às literaturas de outras línguas (em França, apesar de saírem centenas de livros franceses, 45 em cada 100 títulos publicados são estrangeiros); e que, além disso, no mercado norte-americano fica tão caro traduzir um livro literário que as pequenas editoras fogem de o fazer. Mas será só isso? Pois parece que não: os editores anglo-saxónicos consideram que os franceses até inventaram o interessante romance social no século XIX, mas depois da Segunda Guerra Mundial esqueceram-no completamente para se dedicarem à experimentação e ao nouveau roman, que consideram elitista, intelectual e, em suma, pouco legível... E acrescentam que, no campo da não-ficção, os livros franceses são demasiado académicos e não adequados aos leitores de biografias, divulgação científica e história popular que existem aos montes no mundo de língua inglesa. E o problema é que em todo o mundo se lêem cada vez menos livros franceses – em Portugal também – como se fossem papões que metem medo e dão pesadelos. Embora reconheça que a literatura francesa é às vezes bastante exigente, penso que ler de vez em quando um autor mais difícil só nos pode tornar melhores leitores.

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

A autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D