Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

24
Out16

Miúdas versus Rapazes

Maria do Rosário Pedreira

Um dia, num belíssimo filme de James Ivory, ouvi Vanessa Redgrave (já não recordo o nome da sua personagem) dizer que, se as mulheres mandassem no mundo, haveria muito menos guerras porque elas não quereriam que os seus filhos combatessem e fossem mortos. Serão as mulheres diferentes dos homens a esse ponto? Não fui mãe, mas tenho sete sobrinhos, cinco dos quais são raparigas. Observando-os aos sete ao longo do tempo, sou obrigada a concluir que elas foram sempre mais desembaraçadas, mais desenrascadas, mais auto-suficientes, menos dependentes. Souberam inventar formas de fazer dinheiro para poderem viajar, distribuindo panfletos e sentando convidados VIP em estádios de futebol durante o Euro ou estacionando carros em eventos internacionais como o Open de Ténis do Estoril. Eram (e as mais pequenas serão ainda possivelmente) mais senhoras de si, mais autónomas, mais fura-vidas. Li que actualmente há mais mulheres do que homens a entrarem nas nossas universidades; e, quando dão notícias sobre equipas de pesquisa médica e científica por esse mundo fora que descobrem curas e fazem outras conquistas notáveis, não raro estão nelas várias mulheres. Também as estatísticas confirmam que Elas lêem muito mais do que Eles. Um dia destes, li até a estranha notícia de que no Reino Unido os pais gastam menos 25% em livros para os filhos do que para as filhas, porque os rapazes preferem outros brinquedos. Ora, se os rapazes deixarem de ler, cuidem-se: as raparigas vão mesmo tomar conta do mundo…

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 24.10.2016

    A mãe, é o próximo alvo!
    Muitas ideologias e filosofias modernas vão além do feminismo (supremacia feminina) e pretendem mesmo abolir o conceito homem / mulher, tentando acabar com a célula base da nossa sociedade, a família e a mãe por conseguinte - sim, a mãe pois continuo a achar que a mulher/mãe é a pedra-base e daí a nossa religiosidade mais profunda ser para com a Virgem Maria, mãe de Deus. As famílias monoparentais que são o objectivo de uma certa esquerda e tentam impor-se a todo o custo através da adopção e das barrigas de aluguer, mais adiante da reprodução in vitro, ditarão final e fatalmente o fim da mãe.
    Mas não creio que atinjam os seus objectivos, apesar de irem fazendo muito mal ao Mundo e à sociedade...

    Fica-nos a literatura, onde a mãe é consagrada, a literatura que nos esclarece e ajuda a evoluir a saber das coisas, que informa, instrói e conforta, que ajudará a que estas coisas nunca morram, que o resto é moda e ainda se lê o Homero!
    Perdoem-me ser tão retrógado, obscurantista e essas coisas todas, mas enfim, é o que penso e a literatura perdurará!



    S
  • Sem imagem de perfil

    Beatriz Santos 24.10.2016

    As famílias monoparentais podem ter uma mãe:). E a figura materna não tem que ser a biológica, tem é que ser uma mãe em toda a acepção da palavra e muito mais por coração e sentimento que assumir-se na figura feminina. Isso sim. Quanto às barrigas de aluguer...onde é que está o problema?! Apenas são para a gestação...e depois haverá uma mãe. Ou não. Podem ser duas; ou dois pais:). Mas suponho que mesmo quando há dois pais, pelo menos um deles - ou mesmo os dois - faz esse papel maternal.
    De facto, hoje está um bocadinho para o retrógrado. Vá, deixe-se disso.
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 24.10.2016

    Não, nisto não deixo de ser conservador: família! O que a Beatriz refere não me espanta e leio nas entrelinhas o que já adivinhava: discordamos em absoluto!
    Família é família e mãe ou pai são mesmo os progenitores e nada pode substituir esses laços pois o sangue fala sempre mais alto... o resto é poesia e teoria, treta se quisermos ser directos.
    Quem tenha tido pais sabe o que digo, e melhor sabe quem tenha filhos - que nenhum animal ou adoptado pode substituir.

    Felizmente temos a boa literatura (boa no sentido de humanidade) para nos fazer lembrar disso, e tal como a literatura a família não será substituída por clones, por colagens ou afins.

    Saudações retrógadas mas esclarecidas cá da Cidade Morena.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 25.10.2016

    «... e melhor sabe quem tenha filhos - que nenhum animal ou adoptado pode substituir.»
    Frase terrível para ser lida por quem não pode ter filhos...
    Antonieta
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D