Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

02
Fev15

O que ando a ler

Maria do Rosário Pedreira

Recentemente, pediram-me que escrevesse um texto de incentivo à leitura de Gil Vicente para alunos do 10.º ano. Ao que parece, os autores clássicos não convocam hoje grande simpatia por parte dos jovens (nem sequer Fernão Lopes, pelos vistos, que é um dos meus preferidos) talvez por terem um grau de dificuldade associado aos arcaísmos que inibem muitas vezes a leitura. Não quis, porém, escrever sem reler a peça que os alunos estudarão: Farsa de Inês Pereira, que até representei em menina no auditório da escola; e, como já nem sabia onde estava o meu Gil Vicente, aproveitei a versão digital gratuita, descarreguei-a e li-a num iPad (estou a adaptar-me aos tempos modernos, mas nem custou nada, são só 40 páginas). E que alegria assim que voltei a pôr os olhos no texto e a ouvir dentro da cabeça a língua do mestre! Os versos maravilhosos, às vezes divididos ao meio por duas personagens, marcando um ritmo acelerado e bem-disposto, a rima perfeita, tantas palavras gostosas de que nem me lembrava. E que reviravoltas surpreendentes, sempre a contrariar aquilo que esperávamos, quanta sabedoria e quanta coragem de dizer verdades incómodas (e sabemos que o dramaturgo trabalhava na Corte, mas não se ensaiava nada em cascar na Nobreza). Enfim, a experiência foi tão boa (são assim os clássicos) que agora ando a (re)ler Gil Vicente. Rápido, grátis e muito compensador.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Paulo Oliveira 02.02.2015 16:51

    Caldwell!... No verão passado descobri o seu "Amor e Dinheiro" numa papelaria de vilória de interior, da Coleção Dois Mundos da Livros do Brasil. Nunca tinha lido nada do autor e fiquei logo preso, com vontade de procurar mais. Como nada encontrasse em livrarias, e quando já pensava descarregar Tobacco Road para o Kindle, eis que sou surpreendido com uma edição recente da Saída de Emergência. Grande obra, descrevendo com crueza a Grande Depressão, e grande autor.
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 02.02.2015 17:02

    Eu tive essa edição da Colecção Dois Mundos!

    Foi um dos raros livros que emprestei... já lá vão muitos anos, e também há já muitos anos que não empresto livros, salvo raríssimas excepções a gente de muita confiança e depois de assinarem um registo! Tal e qual!!!!!

    Comprei-o recentemente numa edição da Saída de Emergência, ao vê-la na Bertrand! Últimamente tenho recordado ou lido autores Norte-americanos, e deveras houve uma geração fantástica a aproveitar a recessão, o entre-guerras e o pós-guerra, ou é impressão minha?

    Saudações livrescas da Cidade Morena!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.