Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

01
Jun18

O que ando a ler

Maria do Rosário Pedreira

Não ando a ler, já li, mas para o caso tanto faz porque é dele que vou falar hoje. Chama-se Na Memória dos Rouxinóis e escreveu-o Filipa Martins, autora que venceu o Prémio de Revelação da APE em 2004 com Elogio do Passeio Público (que também li há muito tempo) e escreveu pelo meio outros dois romances que não cheguei a ler (apesar de ter em casa um deles, Mustang Branco). Ora, o mais incrível neste livro publicado há uns meses, e lançado durante as Correntes d’Escritas, é que, se eu não soubesse de quem era, nunca diria tratar-se de um livro escrito por uma mulher (mesmo que na página da Wook o anunciem como um livro «feminino», não sei porquê e, aliás, nem concordo). Este facto é tão ou mais interessante porque, na verdade, o narrador desta história é um homem, bem como, aliás, as personagens que importam no livro: aquela à volta da qual tudo gira – Jorge Rousinol, galego, matemático, genial jogador de xadrez, que encomendou a própria biografia antes de morrer embora tenha sempre defendido o esquecimento contra a memória no momento de tomar uma decisão –, os seus pai e avô e Camilo, sobrinho do velho e namorado do narrador, que é quem anda a escrever a biografia do ilustre Jorge Rousinol. Bem, previno-vos que de modo nenhum se trata de um livro fácil, não apenas porque o seu enredo é intricado e contado em planos distintos, mas também porque esta escritora lança mão a um manancial de informação muito variada e tem tantas metáforas na manga (muitas delas extraordinárias) que, como poeta, tive até um bocadinho de inveja, mesmo que por vezes me pareça que essa «complicação estratégica» poderia, aqui e ali, ser aliviada com vantagem. Mas é um livro a ler com atenção, disso não tenho dúvidas, e por isso proponho-o aqui àqueles que gostam de deliciar-se com linguagens novas e romances que ensinam. Quem estiver curioso, pode também ler uma interessante entrevista com a autora, cujo link deixo abaixo. Boas leituras.

 

https://sol.sapo.pt/artigo/607452/filipa-martins-fui-ao-pedopsiquiatra-e-receitaram-me-livros

 

P.S. Depois de amanhã será a entrega do Prémio LeYa a João Pinto Coelho na Praça LeYa, Feira do Livro de Lisboa, às 18h30. Apareça.

8 comentários

Comentar post