Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

21
Jul17

O segredo de Joe Gould

Maria do Rosário Pedreira

Ler um livro que não é ficção e, porém, ter a cada instante a impressão de que se está a ler um romance é magnífico. A personagem – Joe Gould – parece mesmo inventada: um velho escanzelado deambulando por Manhattan, com roupa que já foi decente mas agora muito suja, bebendo e comendo sempre à custa de alguém (um empregado de um bar ou um cliente, que até podia ser o poeta E. E. Cummings) ou passando uma fome de cão, o que também acontece frequentemente. Um homem que, mesmo assim, estudou em Harvard, era filho e neto de médicos, mediu crânios a centenas de índios e anda a escrever há que tempos uma obra aparentemente interminável chamada Uma História Oral da Humanidade em cadernos que espalha por todo o lado. Mas não, não se trata da imaginação de Joseph Mitchell, o autor, que publicou os dois textos sobre Joe Gould que constam deste O Segredo de Joe Gould na revista New Yorker, onde trabalhou durante anos. São também muitos anos os que separam estes dois «capítulos» do livro, mas Joe Gould é o mesmíssimo nos dois perfis que o escritor lhe traçou – e, apesar de ter existido, é o protagonista que todos os que escrevem ficção gostariam de ter numa obra sua. Lobo Antunes, que assina um pequeno prefácio, diz que há muito tempo que não encontrava nada assim. Nem eu. Este livro não se pode perder.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Beatriz Santos 21.07.2017

    Não sei se é assim que se começa a escrever sobre. Pode ser. Mas não consigo imaginar um escritor a pensar, deixa cá ver um assunto sobre o qual ainda ninguém - ou pouca gente - escreveu (em Portugal, na Europa, na Ásia...), olha, os sem abrigo dão bom material. É isso, vou escrever um romance e fazer deles personagem principal.
    Parece-me mais viável que alguém que se sinta incomodado pela situação possa abordá-la em letra de forma. O que quero dizer é que não sei se a procura é a da originalidade do tema.
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 23.07.2017

    Pois eu também não sei se é assim que se começa um romance... pela procura de um tema original, e, também me parece que não seja. Também me parece que não seja porque uma situação incomode o autor, mas sim porque o inspire - negativa ou positivamente.

    O cerne da minha pergunta é mesmo se na Europa alguém escreveu algum romance baseado ou sobre os homeless? Que não conheço.
    Nas Américas, o vagabundo, o homeless, o vadio, é quase mítico, talvez vindo do tempo do cow-boy errante (nos EUA), depois fruto das depressões, das guerras e revoluções, dos inadaptados que retornaram dessas guerras, tornando-se objecto de tantos romances conhecidos, até mesmo porque há uma imensa franja marginal nos os seus bairros-de-lata e habitantes que são material inesgotável.
    Passadas em África conheço algumas obras deste género, assim como na Índia. Mas na Europa não... e em Portugal, alguém alguma vez escreveu sobre os emigrantes a salto e os seus bidonvilles por exemplo? Rentes de Carvalho andou lá perto... estarei enganado? Talvez porque os escritores e intelectuais portugueses não possuam essa sensibilidade ou não se misturem com o povo, o povo real, e apenas ficcionem inspirados em coisas que leiam, que imaginem, mas nem por isso no que se passa à sua volta. Inclusive preferem ir a outros países em busca de inspiração e dos temas.
    A minha dúvida e a minha pergunta, estou a questionar e não a afirmar!
  • Sem imagem de perfil

    Cristina Torrão 23.07.2017

    Caro Pacheco, li um livro há cerca de dois anos, escrito por um europeu (britânico) que me inspirou esta opinião:

    É óbvio que este livro não tem um alto valor literário. Mas cumpre um dos pressupostos exigidos por quem se dedica à literatura: ensina-nos algo. Não somos os mesmos depois de o lermos. Ele não se restringe a narrar a amizade entre um homem e um gato. Aprendemos, acima de tudo, como vive um sem-abrigo, viciado em drogas, que tenta ganhar dinheiro fazendo música de rua (numa primeira fase, nem isso conseguia). E eu nunca mais vou olhar para um músico de rua da mesma maneira.

    Os livros também servem para nos darem a conhecer formas de vida, com as quais, de outro modo, dificilmente, ou nunca, entraríamos em contacto. Para isso, não é preciso escrever uma obra literária. É preciso publicar algo com pés e cabeça, um texto bem estruturado, que nos transmita experiências, sentimentos e sensações. E que seja honesto!

    Este é um livro sobre a solidão, sobre a indiferença pura e dura, sobre o desprezo em relação a alguém que não se enquadra nos nossos padrões de vida, um desprezo que só é possível aguentar sob o efeito de drogas.

    «A vida na rua rouba-nos a dignidade, a personalidade e... no fundo, tudo. Deixamos de existir para tudo e todos. Um sem-abrigo é invisível para os seus semelhantes».

    Penso que a grande vantagem deste livro é a honestidade. O autor, que não o escreveu sozinho (e não faz segredo disso) não se dá ares de intelectual, pelo contrário, é uma pessoa bastante humilde, que tudo relata com uma sinceridade desarmante. Foi isso que mais me tocou. Livros destes levam-me a tornar a fazer as pazes com o mundo, quando chego ao ponto de acreditar (e não poucas vezes) que honestidade e sinceridade não são compatíveis com o ser humano. Livros destes tornam-me a dar um pouco de esperança em relação à humanidade, ainda que, para isso, seja necessária a ajuda de… um gato!

    «Bob é o meu melhor amigo, ajudou-me a encontrar uma vida nova, muito melhor do que a anterior. Para isso, ele não exige nada de complicado ou de irrealista em troca. Ele deseja apenas que eu esteja a seu lado. E eu estou».

    http://andancasmedievais.blogspot.de/2015/07/a-minha-historia-com-bob.html
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D