Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

15
Dez14

Palavrinhas

Maria do Rosário Pedreira

Hoje era dia de palavras e expressões em desuso, mas a verdade é que andei a vasculhar uma palavra só e é essa que trago para a vossa extraordinária leitura. Pois bem, trata-se de «antipático», uma qualidade que não chega a sê-lo e faz de quem a tem alguém longe de nós. A palavra «antipatia» deriva do grego «antpathéia», criada pelo prefixo «anti», que não vou explicar o que significa porque todos sabem, e por uma palavra que ainda hoje uso muito, «pathos»; ora este pathos (que falta a tanta coisa que leio diariamente no trabalho) utilizo-o eu como qualquer coisa capaz de gerar ou evocar emoções; mas li algures que este sentido mais lato só lhe é, efectivamente, atribuído desde Descartes, pois antes disso o pathos era o que estimulava uma emoção, sim, mas triste, sobretudo de pena e compaixão (e daí o «patético» que, ao contrário do que muitos julgam, não tem que ver com nada apatetado na acepção de tonto, mas com algo digno de pena – claro que os patetas são dignos dela também). O antipático é, assim, aquele que tem feição contrária à minha, que sente de maneira oposta, fazendo do simpático o que sente como eu (em inglês sympathetic é solidário) e do apático o que não sente, pura e simplesmente. Mas este pathos mais antigo, ligado ao sofrimento, é curiosamente também a raiz da palavra «patologia» que hoje associamos à doença. A doença é, pois, coisa triste, sofrida e digna de pena, o que, de resto, faz todo o sentido; e, em última análise, também um grande sofrimento moral pode tornar-se uma doença, o que, aliás, Freud já sabia muito antes desta época em que a depressão é frequentemente tratada com químicos, tal como a gripe ou a diabetes. Isto para dizer que, quando encontrarem alguém antipático, essa pessoa, mesmo que em sofrimento, não vos vai parecer digna de pena…

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 15.12.2014

    Plenamente de acordo!

    O Povo Português é acolhedor, solidário na desgraça, hospitaleiro... o que são componentes da simpatia!

    Mas, sim, falta-lhe alegria... que é o ingrediente preponderante, e por vermos as pessoas preocupadas, cabisbaixas, entristecidas, podemos ser levados a considerá-las antipáticas!

    Vejamos, indo a uma feira ou mercado onde se oiça o Tony Carreira e a Rute Marlene, os pregões e as exclamações, até palavrões, expressões da vivacidade e alguma alegria (Mário de carvalho me perdoe a cacofonia), temos uma imagem... pode ser modificada a qualquer momento pela investida do corpo de intervenção e da ASAE, o que preocupa e portanto limita a alegria das gentes!

    Outro cenário: o Colombo, ouvindo-se como fundo uma musicata natalícia bem mais foleira que o Emnuel! Gente alegre? Nada... gente a andar à pressa, só ou aos pares, em grupo ou família, mas apenas olhando, não parecem vivos... o bruá que se ouve nem é de vozes é do movimento, um raspar e soar de sacos de papel ou plástico.
    Gente triste, sim... lá se vê algum com ar emproado de quem tem dinheiro para gastar e o apregoa no erguer da cabeça e nariz apontado para a frente, mas nem esse tem ar feliz, e simpatia nenhuma certamente...

    Na feira/mercado somos saudados pelo vendilhão ou tendeiro com palavras de incentivo, uma graçola, uma frase picaresca. Estabelece-se através do regateio uma corrente humana, de simpatia:
    - "Ai meu senhor, leve essa que fica tão bem à sua senhora!" ; "Ó tiazinha... por este preço? Olhe que é para usar não é para pôr no banco!"; "Ai minha vida, olhe que a sua senhora é mai linda q'uma montra d'órives... ", etc.

    No centro comercial, entramos na loja e somos friamente avaliados pelo nosso trajar e atitude... e se esta for favorável, atendidos com uma cortesia profissional mas fria, quem está ao balcão quase sempre acha que merecia melhor, não gosta do que está a fazer e sente-se diminuído, portanto trata logo de criar distância do cliente... usa-se um tom afectado, que presume elevação, mas não passam de caixeiros, com todo o respeito pela classe que já não se dá ao respeito...

    É o nosso triste quadro...

    Por isso, este ano porque com mais tempo, retomarei a tradição interrompida nos últimos Natais de ir fazer as minhas compras natalícias ao Rosal de la Frontera, onde invariávelmente encontrarei o infalível Emilio à porta da sua Casa Emilio, muito bem penteado, de blazer azul e lenço ao pescoço, que me atirará o seu eterno: Hola como estas? A mulher e as crianças (em português) como se um velho conhecido que não visse desde a semana passada.
    Claro que é um pretexto para ir comprar "puros" e "coñac" Lepanto ou Carlos V muito mais barato, um presunto, queijo manchego, moxama, e uma data de balangandãs daqueles que se oferecem sobretudo à cachopada... mais uma estada em Amareleja a provar o vinho novo e dar uns tiros às perdizes ou javardos, que o Miguel Pastilhas e o João Acabado já andam tratando disso... ah, e de caminho assisto a uma tertúlia com jantar do Clube Literário Cinegético e ao lançamento do romance "Beatriz", em Moura...

    Assim cure a constipação, mas já tenho partida aprazada para próxima quinta-feira!

    Haja alegria... e saúde!

    Creio que é o que nos falta, alguma saúde colectiva por excesso de preocupações, pois nós sempre fomos um povo austero, preocupado com o porvir económico. Há que recuperar esse estado, e quem sabe se extintas as ASAE que nos oprimem hoje, não reencontraremos a alegria das feiras e retomaremos a simpatia expressa no fácies corado e redondo dos camponeses que somos, na vivacidade do tasqueiro, na brejeirice da tendeira, em vez da palidez macilenta do operário em que nos querem tornar, na fria eficiência do hoteleiro, e no distante atendimento do balconista.

    Saudações de quem hoje não se recomenda, cá do Bairro Ribatejano!
  • Sem imagem de perfil

    Beatriz Santos 15.12.2014

    Porém, não se recomendando, escreve bastante e bem:)

    Ainda há pessoas simpáticas a atender-nos. Nos centros comerciais é mais difícil. Mas também existem. É que não consegue toda a gente ter a sua disponibilidade e ir a Espanha comprar:))

    Com tal panorama pela frente, meia cura já lhe entrou decerto:)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    A autora

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D