Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

23
Nov15

Propriedade da língua

Maria do Rosário Pedreira

Disse-vos recentemente que fui convidada para falar num congresso dedicado às artes da língua portuguesa pela Fundação Calouste Gulbenkian em Paris. A iniciativa teve um saldo muito positivo, pois pude ouvir intervenções extremamente interessantes por oradores de luxo em áreas como o teatro, o cinema ou a dança, em que sei menos e, por isso, aprendo mais (mas as da literatura também foram muito boas). Soube igualmente uma coisa curiosa nesse congresso, de que, de resto, já me podia ter dado conta: que muitas vezes, ao publicarem a obra de um autor brasileiro, os editores franceses escrevem «traduit du brésilien», e não «du portugais», como se de facto falássemos línguas diferentes cá e lá ou houvesse, pelo menos, donos diferentes da mesma língua. A este propósito contou Flora Gomes, o cineasta guineense, uma história deliciosa. Os guineenses declaram que o crioulo foi inventado na Guiné, e os cabo-verdianos afirmam que são eles os donos da língua. Ora, para evitar estes puxões para cada lado, alguém resolveu contrapor: nem num lado, nem noutro, mas numa piroga no meio do mar.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Beatriz Santos 23.11.2015

    Não estará a ser um pouco exagerado? Também não me choca assim tanto ouvir dizer/ler que a tradução é feita a partir do brasileiro; e, em parte, parece-me apoiar a pretensão dos portugueses que queriam o não para o AO. Além do mais, se aprender português no estrangeiro, muitas vezes, aprende o do Brasil. E isto sim, me parece menos bem. E mais grave.
  • Sem imagem de perfil

    ASeverino 23.11.2015

    Mas a língua brasileira não existe, logo IGNORÂNCIA (e não vale a pena estarmos com paninhos quentes é pão pão queijo queijo, nada de fazer concessões à ignorância e ainda por cima a quem tem obrigações acrescidas)!
  • Sem imagem de perfil

    Beatriz Santos 23.11.2015

    Tem razão, não existe, como o americano não existe. São ignorantes, sim. Talvez se curvem ao petróleo, ao número de habitantes, à extensão do país. Ou talvez pensem estar certos e nem saibam de Portugal, ou saibam mas seja só um país do sul da Europa, pobre e mal cotado, sem reservas naturais nem riqueza à vista, minúsculo em tamanho e importância mundial, origem de emigrantes que aceitavam tudo e trabalhavam sempre. terceiro mundo europeu. Por exemplo.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.