Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

12
Jun18

Situar

Maria do Rosário Pedreira

Há muitos anos, quando era professora de Francês, pendurei à frente do quadro um grande mapa de França – um mau mapa, confesso, porque era apenas o contorno do país e, lá dentro, uma bolinha preta no lugar da capital a dizer Paris. Assim que me voltei e disse que aquele era o mapa de França, um aluno perguntou: «Eu estou a ver onde está Paris, mas onde é que está a França?» Mais tarde, noutra escola, precisei de um mapa-múndi e, quando o tinha todo esticadinho à frente dos alunos, houve uma miúda que comentou, espantada, olhando as margens esquerda e direita do mapa: «Eu não sabia que havia dois Oceanos Pacíficos…» (e eu a seguir fiz uma espécie de cilindro para lhe explicar que, enfim, a Terra era redonda… Leio nos jornais que 45% dos alunos portugueses do 5º ano não sabem situar Portugal no mapa da Europa – aliás, os títulos dos jornais diziam que eles não sabem situar Portugal na Europa, levando alguns leitores a crer que o situavam na Ásia ou na África, o que não é verdade; o que os meninos não sabem é onde fica o seu país no continente europeu – e, se isso é de facto bastante escandaloso, a verdade é que mais escandaloso ainda é o facto de, muito provavelmente, ninguém lhes ter mostrado o mapa da Europa na escola ou em casa e lhes ter dito que Portugal é o país mais à esquerda… Mas isto não é novo, como atrás mostrei e a seguir confirmo: uma vez, Pacheco Pereira contou-me que estava a dar uma aula numa universidade sobre os regimes do Leste antes da perestroika (penso que o curso era de Relações Internacionais) e que pediu a um aluno que indicasse a Hungria no mapa da Europa. Não só esse estudante não foi capaz de o fazer como quase toda a turma o ignorava…

18 comentários

Comentar post

Pág. 1/2