Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Horas Extraordinárias

As horas que passamos a ler.

17
Set19

Um género

Maria do Rosário Pedreira

Embora já exista há bastante tempo, é sobretudo na actualidade que o romance gráfico está a dar que falar, mais ainda por Sabrina (já aqui falei disto) ter sido o primeiro livro do género seleccionado para a final do Man Booker Prize em 2018 (não ganhou mas despertou a atenção de milhões de pessoas no mundo inteiro e já está traduzido cá na terra). Li no The Guardian que, até 1989, era proibido num livro de BD ou afim reproduzirem-se cenas de sexo, porque o género era visto como mais popular e destinado a leitores de todas as idades. Curiosamente, hoje os romances gráficos podem ser mesmo «gráficos» em matéria de sexo, violência sexual, nudez, exploração do corpo (leio no mesmo artigo que é uma reacção ao puritanismo anterior e uma forma de «empoderamento», essa palavra que hoje se usa quiçá demasiado frequentemente). Parece até que o género «romance gráfico» foi essencial para as autoras-mulheres se despirem, metaforicamente falando, e pela primeira vez exporem o seu corpo tal como o vêem e acham que ele é visto por homens e mulheres. Em Portugal, os romances gráficos começaram a multiplicar-se – e ora se trata de obras originalmente escritas e desenhadas para este formato, como Sabrina, ora de adaptações de livros clássicos (Albert Camus, Harper Lee, Anne Frank, etc.). Fiquemos atentos.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    ASeve 17.09.2019

    Já fui fã de livros aos quadradinhos, especialmente do Mandrake. Agora são de tal modo sofisticados que já não me atraem.

    Ó Paxeco, O Público inicia hoje uma colecção de 14 livros "Médicos Escritores", que me parece interessante; inicia-se com "Vida Sexual" do Prof. Egas Moniz.
  • Sem imagem de perfil

    António Luiz Pacheco 17.09.2019

    Ahahahah! Curioso ser logo o Mandrake, a Narda e o Lotar! Mas também gostava muito, saudoso Mundo de Aventuras ó Severino!

    Interessante o que anuncias, mas a vida sexual não será a do insigne Nobel da Medicina e sim um trabalho académico da sua autoria… espero bem…

    Grande abraço!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.